Buscar

Características do solado nos calçados de proteção



Gabriel Damaceno - técnico químico do Laboratório de EPI Calçados do IBTeC


Os calçados destinados ao uso profissional, com fins de proteção dos pés do usuário, podem apresentar diversos componentes diferentes, que juntos fornecem a devida segurança. Um dos componentes mais importantes, quando falamos em EPI calçados, é o solado, que, para ser aprovado, deve passar por uma série de ensaios a variar de sua composição e do uso destinado.


A primeira característica que deve ser analisada em um calçado de segurança é a sua composição. A depender da finalidade do calçado, o solado pode ser feito de diferentes materiais. Para calçados com proteção contra agentes térmicos (calor), por exemplo, os solados de borracha tendem a apresentar melhores resultados. Apesar disso, a maioria dos EPI calçados tem solado em poliuretano (PU), tanto mono quanto bidensidade. Além da composição, também deve ser avaliada a espessura da sola e a presença ou não de ressaltos. No caso de apresentar ressaltos, deve ser medido o percentual dos mesmos na região da planta (parte frontal da sola) e no salto.


Em relação aos ensaios, todos os solados devem passar pelo teste de resistência ao rasgamento, conforme a norma ISO 34-1. Além deste ensaio, deve ser determinada a resistência da sola à abrasão, conforme a norma ISO 4649. Para saber se o solado está aprovado nestes dois requisitos, deve-se calcular a densidade do material. Em calçados com rigidez maior que 45° deve ser realizado também o ensaio de flexão do solado (ABNT NBR ISO 20344/2015 - 8.4) e, caso a sola seja feita em PU, também deve ser feito o ensaio de flexão rossflex à baixa temperatura após hidrólise (ISO 5423/92 - anexo C). Para os solados bidensidade, a união entre as camadas deve ser testada também, com ensaio de descolagem (ABNT NBR ISO 20344/2015 - 5.2).


Além destes requisitos mais básicos, os solados podem ser testados para requisitos adicionais. Se o calçado possui a simbologia FO, deve-se testar a resistência do solado ao óleo combustível (ABNT NBR ISO 20344/2015 - 8.6). Em caso de proteção térmica, deve ser realizado o ensaio de resistência da sola ao calor por contato (simbologia HRO) e/ou isolamento ao calor (simbologia HI). Para calçados com resistência química, os solados também devem passar por uma série de ensaios após a degradação com os respectivos produtos químicos.


Outra característica de proteção muito importante que diz respeito ao solado dos calçados é a resistência elétrica. O ensaio estabelecido no item 5.10 da norma ABNT NBR ISO 20344/2015 é bastante influenciado pelo solado, sendo este que define se o calçado será condutivo, antiestático ou resistente elétrico.


Desse modo, o solado caracteriza um dos componentes mais importantes para garantir a proteção dos usuários. Por isso, é importante ficar atento ao escolher o melhor calçado para uma determinada função, analisando com cuidado se o solado deste é apropriado ao ambiente de uso e aos riscos enfrentados.