Buscar

Atualização do ensaio de escorregamento para calçados de uso profissional


Gabriel Damasceno - técnico químico do Laboratório de EPI Calçados do IBTeC


Os calçados de segurança, assim como todos os EPIs, passam por uma série de testes a fim de certificar a qualidade da proteção que oferecem. A norma que estabelece os métodos de teste para os calçados de uso profissional é a EN ISO 20344, ou ABNT NBR ISO 20344 no Brasil. A versão europeia da norma está sendo revisada, trazendo diversas mudanças nos métodos de ensaio. Com esta atualização, a norma brasileira, cuja versão vigente é a de 2015, logo será atualizada também, para cumprir os padrões estabelecidos na nova versão europeia.


Um dos testes estabelecidos pela norma em questão é o ensaio de determinação da resistência ao escorrega- mento. O método deste ensaio é realizado de acordo com a ISO 13287/2019, enquanto a ABNT NBR ISO 20344 de- termina as condições de ensaio. De acordo com a norma atual brasileira, os calçados devem ser testados em duas condições, salto e plano, nos pisos de cerâmica e de aço, a depender da resistência que o calçado irá oferecer - SRA (piso de cerâmica), SRB (piso de aço) e SRC (piso de cerâmica e de aço). Os contaminantes utilizados são o lauril sufato de sódio (para o piso de cerâmica) e a glicerina (para o piso de aço).


A nova norma europeia traz algumas alterações nas condições do ensaio. No piso de cerâmica, todos os calçados deverão ser testados nas condições A (salto) e B (parte dianteira - planta), contaminados com lauril sulfato de sódio, o que caracterizará uma condição básica dos calçados de uso profissional. Ainda no mesmo piso, podem ser testadas as condições C (salto) e D (parte dianteira - planta), mas contaminadas com glicerina. O ensaio com glicerina irá ser opcional e, quando realizado, o calçado irá receber a simbologia “SR”. O piso de aço, por sua vez, não será mais utilizado nos ensaios para EPI calçados.