Buscar

A moda vestindo causas


Para especialista da ESPM, nova geração de profissionais quer deixar um legado transformador


Para os estudantes do curso de design de moda da Escola Superior de Propaganda e

Marketing (ESPM) Porto Alegre/RS, o movimento Fashion Revolution, que discute a transformação da indústria a partir de seus impactos socioambientais, começa desde o primeiro dia de aula.


“A verdadeira revolução é iniciada dentro deles, que começam a entender que a indústria vai além do consumo sem limites e que a sustentabilidade não é somente a escolha de uma matéria-prima”, diz Madeleine Muller, professora da ESPM e coordenadora do evento Fashion Revolution da ESPM, que reúne representantes do setor para debater caminhos e tendências.


O varejo da moda foi um dos setores mais prejudicados pela pandemia da Covid-19. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na Pesquisa Mensal do Comércio, o setor apresentou queda de 23% em 2020 comparado ao ano anterior. Mesmo antes já apresentava números em baixa. O último avanço nas vendas foi registrado em 2017. Tal cenário propõe uma revisão de estratégias para o futuro do negócio e pensar de forma sustentável está entre elas. “Vamos ter um outro olhar, inserir a sustentabilidade, palavra que até pouco tempo era desconhecida no meio dos estudantes”, diz Madeleine.


“Há diversos pilares da sustentabilidade que vão muito além do algodão orgânico. Esses jovens acabam entendendo como é trabalhar com a produção local ou com uma escala menor e, dessa maneira, passam a ter uma visão mais sistêmica e integrada do que é essa nova cadeia de moda.”


Membro da Empresa Júnior ESPM, Victória Bernhard, de 22 anos, fundou o Mood Outlet Multimarcas Digital, um e-commerce de roupas com foco no consumo consciente de moda. O Mood oferece a revenda de peças e, em paralelo, ajuda a entender as motivações de consumo e a promover a conscientização do cliente. “É importante tomar conhecimento dos problemas da indústria têxtil, entre eles o descarte de matéria-prima, a poluição e a mão de obra escrava”, diz Victória.


Inclusão e diversidade


Um dos temas abordados pelo Fashion Revolution, e presente no conteúdo do curso da ESPM, é a questão da inclusão e da diversidade. A estudante e maquiadora Nathália Brum cursa Design de Moda na ESPM e, desde 2015, é modelo plus size. Nathália estampou a campanha da marca Ana Bah Estilo. “Quero muito contribuir como designer e modelo e poder um dia dizer que a moda contempla todos”, diz Nathália. “A moda está ficando mais diversa e inclusiva, mas ainda tem um longo caminho para abraçar todos.” Um dos exemplos de representatividade lembrado pela modelo é a cantora e empresária Rihanna, dona das marcas Fenty Beauty e Savage X Fenty. A primeira, com produtos de maquiagem, oferece 40 tons de pele na sua cartela de base. O slogan da campanha de lançamento foi Beauty for All (Beleza para Todos). Já a Savage X Fenty é a marca de lingerie para todos os tipos de corpos, idades, gêneros e etnias.