top of page
Buscar

Laminados feitos da ação de fungos sobre cascas de cereais


Quem apostaria que das cascas de cereais se pode produzir uma película sustentável com aparência de couro? Pois é exatamente isso o que a Mush tem realizado para dar um destino mais nobre aos resíduos agroindustriais do que o simples descarte. O CEO da empresa, Eduardo Sydney, diz que para cada tonelada de grãos processados são geradas duas toneladas de resíduos, ou seja, o setor produz muito mais sobras do que grãos. E este material não deveria mais ser simplesmente rejeitado, mas, sim, ser usado como matéria-prima para novos desenvolvimentos, gerando trabalho e renda, além de evitar desperdícios de recursos naturais.


Tendo esta visão de negócio com propósito, Eduardo criou a Mush, que se especializou no reprocessamento de materiais naturais como serragem, casca de trigo, casca de arroz e as sobras do beneficiamento do palmito pupunha, os quais servem como suporte para o cultivo dos fungos. “O fungo agrega as partículas e forma em sua superfície uma película, que é tratada em laboratório próprio para obter as propriedades necessárias ao uso industrial. Inclusive estamos desenvolvendo um sistema de curtimento vegetal para melhorar a resistência e a aparência do material, que se assemelha à textura do couro”, conta o empresário.


Ele lembra que em todo o processo de recuperação das cascas realizado antes da etapa de curtimento a pegada de carbono é neutra, pois se trata de uma matéria-prima resultante de um processamento industrial anterior, que já usou todos os recursos e estaria disponível para o descarte. Além do mais, os fungos, na natureza, neutralizam várias substâncias restritas, o que, segundo o empresário, é uma vantagem adicional a este produto.


Vários testes já foram realizados utilizando diferentes materiais base, como tecidos, visando a melhorar as propriedades de resistência do material, que é oferecido como alternativa para desenvolvedores de calçados, artefatos, vestuário e bijuterias que buscam criar produtos mais sustentáveis. Para isso, a Mush busca empresas que queiram formar parcerias para o aprimoramento das pesquisas em torno do material que já é utilizado por grifes internacionais reconhecidas pela pegada ecológica em seu DNA. “A Stela McCarney, por exemplo, lançou recentemente um produto com a mesma tecnologia em base PU”, exemplifica Eduardo.

Comments


bottom of page