Buscar

COLUNA EPIs

Proteção contra calor: norma para vestimentas ABNT NBR ISO 11612 e suas abrangências

Manuela Almada Alves

Supervisora técnica do Laboratório EPI Luvas e Vestimentas

As fontes geradoras de calor na indústria são variadas e distintas e podem expor o trabalhador a grandes riscos. O calor pode causar danos através da utilização, por exemplo, de um forno com altas temperaturas, caldeiras, contato com peças quentes, com metais líquidos, entre outros. Para assegurar que o equipamento de segurança proporciona a proteção adequada ao trabalhador, existem normas exigidas no Brasil como a ABNT NBR ISO 11612, que abrange e testa os diferentes tipos de calor nas vestimentas de proteção para o corpo (exceto mãos e pés).


A finalidade desta Norma Internacional ABNT NBR ISSO 11612 é proporcionar requisitos de desempenho mínimo para roupa de proteção contra calor e chama que pode ser usado para uma vasta gama de finalidades de usos. A norma também inclui requisitos de resistência mecânica para este tipo de material e testa o desempenho após realização da higienização indicada pelo fabricante, que garante a proteção mesmo após processos de limpeza.


A norma inclui os seguintes testes para verificação do desempenho contra o calor: verificação da propagação de uma chama controlada, em que se conclui se a vestimenta possibilita a extinção da chama e o tempo para tal; resistência ao contato com calor em temperatura de 250ºC e tempo para passagem deste calor pelo material; resistência ao calor de convecção que, através da aplicação de uma chama controlada, verifica-se o tempo para um aumento em 24ºC da temperatura inicial da vestimenta; resistência ao calor por radiação que, através da aplicação de uma radiação controlada, verifica-se o tempo para um aumento em 24ºC da temperatura inicial da vestimenta; e resistência ao metal fundido, teste realizado através do derramamento dos metais fundidos líquidos Alumínio e/ou Ferro e simulação de um possível dano à pele.


O ensaio pode ser realizado em apenas um dos testes acima mencionados, ou em todos, conforme a aplicação final. De acordo com os resultados nos ensaios, a norma enquadra o material em três níveis de desempenho para calor e chamas, sendo o nível 1 para indicar exposição à percepção de risco baixo, nível 2 para indicar exposição à percepção de risco médio e nível 3 para indicar exposição à percepção de risco alto. Para riscos mais específicos como de soldagem, arco elétrico, entre outros, existem outras normas focadas para estes fins.