Buscar

COLUNA EPIs

Proteção contra calor: norma para vestimentas ABNT NBR ISO 11612 e suas abrangências

Manuela Almada Alves

Supervisora técnica do Laboratório EPI Luvas e Vestimentas

As fontes geradoras de calor na indústria são variadas e distintas e podem expor o trabalhador a grandes riscos. O calor pode causar danos através da utilização, por exemplo, de um forno com altas temperaturas, caldeiras, contato com peças quentes, com metais líquidos, entre outros. Para assegurar que o equipamento de segurança proporciona a proteção adequada ao trabalhador, existem normas exigidas no Brasil como a ABNT NBR ISO 11612, que abrange e testa os diferentes tipos de calor nas vestimentas de proteção para o corpo (exceto mãos e pés).


A finalidade desta Norma Internacional ABNT NBR ISSO 11612 é proporcionar requisitos de desempenho mínimo para roupa de proteção contra calor e chama que pode ser usado para uma vasta gama de finalidades de usos. A norma também inclui requisitos de resistência mecânica para este tipo de material e testa o desempenho após realização da higienização indicada pelo fabricante, que garante a proteção mesmo após processos de limpeza.


A norma inclui os seguintes testes para verificação do desempenho contra o calor: verificação da propagação de uma chama controlada, em que se conclui se a vestimenta possibilita a extinção da chama e o tempo para tal; resistência ao contato com calor em temperatura de 250ºC e tempo para passagem deste calor pelo material; resistência ao calor de convecção que, através da aplicação de uma chama controlada, verifica-se o tempo para um aumento em 24ºC da temperatura inicial da vestimenta; resistência ao calor por radiação que, através da aplicação de uma radiação controlada, verifica-se o tempo para um aumento em 24ºC da temperatura inicial da vestimenta; e resistência ao metal fundido, teste realizado através do derramamento dos metais fundidos líquidos Alumínio e/ou Ferro e simulação de um possível dano à pele.


O ensaio pode ser realizado em apenas um dos testes acima mencionados, ou em todos, conforme a aplicação final. De acordo com os resultados nos ensaios, a norma enquadra o material em três níveis de desempenho para calor e chamas, sendo o nível 1 para indicar exposição à percepção de risco baixo, nível 2 para indicar exposição à percepção de risco médio e nível 3 para indicar exposição à percepção de risco alto. Para riscos mais específicos como de soldagem, arco elétrico, entre outros, existem outras normas focadas para estes fins.

Entre em contato conosco

Revista Tecnicouro

Rua Araxá, 750 - Bairro Ideal

Novo Hamburgo - RS

CEP 93334-000

(51) 3553-1000

Assine a newsletter