Buscar

Agência de modelos chama atenção para o Dia Mundial do Vitiligo

Doença atinge cerca de 0,5% da população brasileira

Foto Gorge Luiz Garcia


No dia 25 de junho, é celebrado o Dia Mundial da Conscientização do Vitiligo. Criada pelas Nações Unidas, em 2011, a data tem como objetivo aumentar a conscientização sobre o tema, combater o preconceito e arrecadar fundos para pesquisa, apoio e educação. Dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) indicam que, no mundo, o vitiligo afeta 1% da população. No Brasil, esse percentual é de 0,5%. Ou seja, cerca de 1 milhão de pessoas, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para chamar atenção ao assunto, a agência de modelos Max Fama fez um editorial com alguns dos seus modelos que possuem vitiligo.


“Sabemos que ainda existe muito preconceito na sociedade relacionado a vitiligo, mas aqui na agência isso não existe. Temos um elenco incrível com crianças que possuem a patologia e trabalhamos da mesma forma como qualquer criança”, relata a produtora da agência de modelos Max Fama, Carolina Souza. “Nós percebemos uma mudança de comportamento do mercado publicitário nos últimos com a inclusão dos portadores do vitiligo e ficamos extremamente felizes. É gratificante ver o sorriso no rosto de uma criança se divertindo fazendo suas fotos por aqui. O preconceito só vai acabar a partir do momento que a sociedade entender que somos todos iguais”, finaliza.


Vale lembrar que o vitiligo é uma doença caracterizada pela perda da coloração da pele, não é contagioso e não traz prejuízos à saúde física, no entanto, as lesões provocadas impactam significativamente na qualidade de vida e na autoestima do paciente. Nesses casos, o acompanhamento psicológico pode ser recomendado.


As causas da doença ainda não estão claramente estabelecidas, mas alterações ou traumas emocionais podem estar entre os fatores que desencadeiam ou agravam a doença. O tratamento deve ser discutido com um dermatologista, conforme as características de cada paciente. É com informação que vamos conseguir combater o preconceito e gerar qualidade de vida para quem tem vitiligo.